segunda-feira, 23 de maio de 2011

BANHEIRO DE SHOPPING

TODO RETINOSEIRO ADORA OS BANHEIROS DE SHOPPING DE PREFERENCIA AQUELES CHEIOS DE ESPELHOS POR TODOS OS LADOS,

É ADRENALINA PURA VOCÊ NUNCA SABE QUANDO VAI BATER A CARA NUM ESPELHO, VOCÊ NUNCA SABE QUAL É A ENTRADA VERDADEIRA ENTÃO VOCÊ PODE TIRAR NA SORTE, OU ENTÃO SEMPRE ANDE COM AS MÃOS NA FRENTE DO CORPO TIPO UM SONAMBULO , 

PODEM TE ACHAR MEIO DOIDO(A), OU ATÉ BEBADO(A), MAS TE GARANTO NINGUÉM IRÁ PENSAR NA POSSIBILIDADE DE VOCÊ SER RETINOSEIRO, SE VOCÊ ENFIM CONSEGUIR PASSAR PELOS ESPELHOS E ENFIM ACHAR UM BANHEIRO, PRESTE MUITA ATENÇÃO OLHE PARA BAIXO PARA TER CERTEZA DE QUE O VASO SANITARIO NÃO ESTÁ OCUPADO, 

E QUANDO ENFIM VOCÊ TERMINAR SUA MISSÃO ESTARÁ NO CORREDOR SE QUESTIONANDO ONDE ESTARA A SAÍDA.
 SERÁ A PORTA NUMERO1?OU A NUMERO 2?QUAL SERÁ A VIRADA CERTA?
DICA: SUTILMENTE SIGA ALGUÉM É SUA MELHOR OPÇÃO!
ENFIM ACABOU SAIU DO LABIRINTO, UFAA.
MAS NÃO SAIA CORRENDO POR AI LEMBRE-SE QUE EXISTEM MUITOS BEBÊS SOLTOS E FELIZES PELO SHOPPING, QUE NEM IMAGINAM O PERIGO QUE CORREM

8 comentários:

  1. São tantos desafios, não é?
    E desafio é assim mesmo. A gente tem que enfrentar.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Ei! Onde estão as novas postagens? Vai dizer que abandonou seus leitores?
    Queremos ler mais, menina!

    Abraços do amigo Sammis

    ResponderExcluir
  3. Olá! Meu nome é Joana, descobri há uma semana que tenho RP. Também tenho perda auditiva de 50% desde que nasci, o que faz com que os médicos acreditem que eu tenho Síndrome de Usher do tipo II. De tudo o que eu li na internet sobre a doença, seu blog foi o que mais me chamou atenção. Muito interessante a abordagem que vc faz. Ri muito me identificando com as situações que vc descreve. Sempre tive muita dificuldade, mas achava que eu era uma grande estabanada que enxergava mal, nunca imaginei que tinha RP. Nem sabia que isso existia na verdade. Enfim, meus parabéns. Não só pelo blog, mas principalmente pela maneira de encarar os problemas. Um grande abraço. Se vc quiser manter contato, vou adorar. Meu e-mail é joana.fas@gmail.com.

    ResponderExcluir
  4. Ri muito!! Nossa, como me identifico com o que você escreve!! Ixi, não somos psicopatas (será?) mas somos um perigo à sociedade! :) E olha que tenho o adicional de ser surda, como a Jô aí do comentário. Aliás, peço lincença e vou escrever um e-mail pra ela, pois temos a mesma doença. beijão

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Uma vez pedi desculpas para mim mesma ao trombar com meu reflexo no espelho de um shopping!! as pessoas ficam olhando e imaginando " o q ela ta fazendo?" ate hj essa historia rende muitos risos entre eu e minhas amigas q presenciaram a cena! Eu levo na esportiva, afinal vou fazer o q ne? tem q se fingir de louca mesmo!!

    ResponderExcluir
  7. kkkkkkkkkkk Nem preciso dizer que já passei por tudo isso nos meus 57 anos de vida! Tambem tenho síndrome de Urcher e perda auditiva desde que nasci. A retinose, foi se manifestar quando eu tinha 18 anos. Os médicos disseram na época, que até os 40 anos eu perderia totalmente a visão, mas estou aqui, digitando e com a visão central preservada, apesar de que meu campo visual diminuiu bastante durante estes anos todos. Resisti muito tempo ao uso de aparelho auditivo, mas acabei cedendo e me adaptando, pois eu pagava micos demais por não ouvir e não enxergar direito. Deu uma boa melhorada na quantidade de "micos"! hahahaha..(mas ainda são muitos) A última foi na CeA. Estava olhando as roupas pegando nos tecidos para senti-los...Puxei algum pedaço de tecido e... BRUUMM! Cai no chão atordoada com alguma pancada muito forte na cabeça! O maior barulhão! Várias pessoas correram e se debruçaram sobre mim, inclusive minha filha que estava ali por perto.eu estava atordoada sem saber o que havia acontecido! Me levantaram eu perguntei : O que aconteceu???
    Simplesmente eu puxei a calça do manequim que estava sentado no alto da prateleira com as pernas penduradas perto da arara onde eu "beliscava" os tecidos! Ele tombou com tudo sobre a minha cabeça, o maldito! E, como era pesado o desgraçado!!! Cá entre nós, eu não contei prá ninguem, nem para minha filha que eu estava ali beliscando os tecidos das roupas e disse para ela que era uma grande irresponsabilidade deixar o manequim ali tão vulnerável1 Afinal uma criança poderia passar por isso tambem, né? Já pensou aquele "peso pesado" cair em cima de uma criança? É que sou cabeça dura, e só ganhei um belo galo, mas uma criança poderia ter talvez até um traumatismo craniano!

    ResponderExcluir
  8. Meu pior mico foi no dia que eu pensei que uma mulher era um manequim, e quando eu toquei nela eu descobri que não era não, foi quando ela se mexeu, e eu claro fiquei toda sem graça!

    ResponderExcluir